19 setembro 2005

Quartos Escuros :: A “carne” espera-os

"Ao cair da noite e vê-los ir para os bares/discoteca gays, alguns destes com a particularidade de terem QUARTOS ESCUROS. O que são QUARTOS ESCUROS??? Como o nome indica são salas as escuras onde reina o mais degradante e promíscuo que se possa imaginar. Eles entram e a partir dai e como se queira. SEXO sem ver com QUEM. Salas ás escuras onde eles se “comem” sem se verem uns aos outros. Tanto nas saunas como nestes quartos escuros o uso de preservativo e quase inexistente."

Não me vou alargar em comentários sobre esta questão, vou antes deixar aqui uma reportagens do DN na sua revista “Grande Reportagem”. Penso que é suficiente para que as pessoas tirem suas conclusões.

Links

http://img77.imageshack.us/my.php?image=orgiasgay18ng.jpg

http://img328.imageshack.us/my.php?image=orgiasgay21az.jpg

http://img328.imageshack.us/my.php?image=orgiasgay37lz.jpg

http://img328.imageshack.us/my.php?image=orgiasgay49mr.jpg

http://img328.imageshack.us/my.php?image=orgiasgay50bh.jpg

http://img328.imageshack.us/my.php?image=orgiasgay66to.jpg

Quem não gostava que o seu filho fosse adoptado por um casal de homossexuais!? Afinal de contas são gente séria e com muito carinho para dar!!

13 setembro 2005

Eça de Queirós: Israelismo (Cartas de Inglaterra)



Recordando o nosso grande Eça de Queirós, achei interessante transcrever uma das Cartas de Inglaterra escritas pelo autor, sob a forma de ensaios, entre 1877 e 1882. Apesar da distância temporal, é facil constatarmos a contemporaniedade do conteúdo. Quando lí este material pela primeira vez, veio-me imediatamente à memória a actução dos Estados Unidos, através da mão que os controla: OS JUDEUS.

«Na Alemanha, os judeus abundam, influindo na opinião pelos jornais que possuem (entre outros o Daily Telegraph, um dos mais importantes do reino), dominando o comércio pelas suas casas bancárias e, em certos momentos mesmo, governando o Estado pelo grande homem da sua raça, o seu profeta maior, o próprio Lord Beaconsfield. Aqui, decerto, estamos longe de ver desencadear um ódio nacional, uma perseguição social contra os judeus; mas há suficientes sintomas de que o desenvolvimento firme deste estado israelita dentro do estado cristão começa a impacientar o Inglês. Não vejo, por exemplo, que o que se está passando na Alemanha, apesar de exalar um odioso cheiro de auto-de-fé, provoque uma grande indignação da imprensa liberal de Londres: e já mesmo um jornal da autoridade do Spectator se vê forçado a atenuar, perante os graves protestos da colónia israelita, artigos em que descrevera os judeus como uma corporação isolada e egoísta, à semelhança das comunidades católicas, trabalhando só no mesmo interesse, encerrando-se na força da sua tradição e conservando simpatias e tendências manifestamente hostis às do Estado que os tolera. Tudo isto é já desagradável.»

«Porque enfim, sob formas civilizadas e constitucionais (petições, meetings, artigos de revista, panfletos, interpelações), é realmente a uma perseguição de judeus que vamos assistir, das boas, das antigas, das manuelinas, quando se deitavam à mesma fogueira os livros do rabino e o próprio rabino, exterminando assim economicamente, com o mesmo feixe de lenha, a doutrina e o doutor.»

«O motivo do furor anti-semítico é simplesmente a crescente prosperidade da colónia judaica, colónia relativamente pequena, apenas composta de quatrocentos mil judeus; mas que pela sua actividade, a sua pertinácia, a sua disciplina, está fazendo uma concorrência triunfante à burguesia alemã.»

«A alta finança e o pequeno comércio estão-lhe igualmente nas mãos: é o judeu que empresta aos estados e aos príncipes, é a ele que o pequeno proprietário hipoteca as terras. Nas profissões liberais absorve tudo: é ele o advogado com mais causas e o médico com mais clientela: se na mesma rua há dois tendeiros, um alemão e outro judeu, o filho da Germânia ao fim do ano está falido, o filho de Israel tem carruagem! »

«Mas se a riqueza do judeu o irrita, a ostentação que o judeu faz da sua riqueza enlouquece-o de furor. E, neste ponto, devo dizer que o Alemão tem razão. A antiga legenda do israelita, magro, esguio, adunco, caminhando cosido com a parede, e coando por entre as pálpebras um olhar turvo e desconfiado – pertence ao passado. O judeu hoje é um gordo. Traz a cabeça alta, tem a pança ostentosa e enche a rua. E necessário vê-los em Londres, em Berlim, ou em Viena: nas menores coisas, entrando em um café ou ocupando uma cadeira de teatro, têm um ar arrogante e ricaço, que escandaliza.»

«Mas o pior ainda na Alemanha é o hábil plano com que fortificam a sua prosperidade e garantem o luxo, tão hábil que tem um sabor de conspiração: na Alemanha, o judeu, lentamente, surdamente, tem-se apoderado das duas grandes forças sociais – a Bolsa e imprensa. Quase todas as grandes casas bancárias da Alemanha, quase todos os grandes jornais, estão na posse do semita. Assim, torna-se inatacável. De modo que não só expulsa o alemão das profissões liberais, o humilha com a sua opulência rutilante e o traz dependente pelo capital; mas, injúria suprema, pela voz dos seus jornais, ordena-lhe o que há-de fazer, o que há-de pensar, como se há-de governar e com que se há-de bater!»

10 setembro 2005

Braga Nacional :: Mail

Com todo o prazer abrimos mais um espaço de comunicação online. Desta feita um endereço de mail para o projecto Braga Nacional. Podem contactar os Nacionalistas do distrito de Braga através do braganacional@hotmail.com

Obrigado.